novembro 19, 2009

a história da mudança [14] – a língua

Gosto de outras línguas. Tenho facilidade pra aprender outros idiomas, acho que é uma coisa inata. Uma amiga astróloga disse que meu mapa mostra dons musicais. Pode ser, já que a língua nada mais é do que uma série de arranjos sonoros [ah!, os estudos pra tese...]. Arranho um espanhol, tateio um francês, brigo com o italiano e posso dizer que falo, leio e escrevo bastante bem o inglês. Já do português, não digo nada.

Sempre tive contato com outras línguas. Quando pequeno fui parar numa escola maternal de garagem que era toda em inglês. Depois tive aulas de inglês no primário e no ginásio. No colegial, a professora era chatérrima e eu sempre dava um jeito de fugir das aulas. Mesmo assim tirava notas acima da média. Em casa, meu pai falava inglês e mais, cantava. Recebia gringos com freqüência.

Quando estava na faculdade, descobri que conseguia ler livros em espanhol, francês, italiano e inglês. E logo saquei que dava pra aproveitar a presença da língua inglesa em nosso dia a dia pra afiar os ouvidos. Rádio e televisão tem sempre alguma coisa em inglês. Um dia resolvi tentar um mestrado na Inglaterra e comecei a estudar sozinho. Ouvia fitas, assistia filmes com as legendas cobertas. Fiz o tal do Ielts acadêmico em 91. Atingi uma pontuação mais que satisfatória pra concorrer a vaga de mestrado. Em 98 me candidatei a uma vaga no doutorado no MIT e tive que fazer o Toefl. De novo estudei sozinho e fui super bem. De 640 pontos possíveis fiz 604 e no Twe fiz 4.5 de 6. Me garanti na vaga.

Pra imigração do Canadá fiz novamente o Ielts. Novamente estudei sozinho e tive notas razoáveis, suficiente pra garantir mais que os pontos necessários pra imigração.
Preciso dizer que gosto de inglês. Mas não só de inglês, mas de todas as línguas. Na acho que terei muitos problemas vivendo no Canadá. Mais importante de tudo, não tenho medo de falar errado, de aprender o certo, de perguntar. Agora, nada como viver num país por anos pra aprender de fato uma língua.

Bia fala inglês. Fez cursos, Cultura Inglesa, essas coisas. Passou um tempo na Irlanda estudando. Também fala sem medo de errar. As crianças têm inglês na escola desde que tem 2 anos e meio. Estão familiarizados com certos sons. Eu falo um pouco de inglês com eles. De vez em quando eles pedem pra assistir o filme em inglês. Acho que não terão problemas com a língua. Ou com as línguas.

Nunca me esqueço de dois exemplos acontecidos na família. O primeiro aconteceu com minha irmã caçula, a Guy. Certa vez nos encontramos com uns ‘primos’ do outro lado da família do irmão de meu pai. O menino tinha a mesma idade da Guy, por volta de 6 anos e, por um acidente do destino, era surdo-mudo. Os dois brincaram o dia todo. No fim do dia, ela estava empolgada, contava as peripécias dos dois, que haviam conversado isso e aquilo. Minha mãe perguntou o que tanto conversavam. ‘Sobre tudo, ué!’, disse ela. Não havia percebido que o priminho não falava e nem escutava.

A outra estória envolve meus sobrinhos Bia e André. Foram morar nos EUA quando ela tinha 2 anos e ele 2 meses, hoje, ela tem 15, ele 13. Minha irmã falou português com eles até 2 anos atrás. Bia nunca esqueceu a língua materna, fala português com sotaque, mas fala. Quando André veio ao Brasil pela primeira vez passar as férias, aos 8 anos se não me engano, não falava uma palavra de português. Ano passado saiu daqui falando bastante bem, o suficiente pra se comunicar em qualquer situação cotidiana.

Acho que não será difícil pra nós e as crianças, que se comunicam utilizando todos os recursos de linguagem, vão aprender bem rápido. E não tenho dúvida de que nos ajudarão em nossa adaptação.

10 comentários:

Adrianne Ogêda disse...

Acho mesmo que se lançar sem medo de errar é fundamental. Eu gosto muito de línguas mas não tenho a facilidade que gostaria, tampouco a falta de medo para arriscar um pouco mais. Esse é um projeto que acalento, me apropriar do inglês e do francês, poder escrever, ler e falar com alguma desenvoltura. Projetos 2010?! Peut être.

Patricia disse...

Todas as crianças, filhos de imigrantes que eu conheço, aprenderam o inglês muito rápido.. Não precisa nem se preocupar. O principal é manter a lingua portuguesa. O que acontece é que mesmo os pais só falando em português, os filhos, com o tempo, começam respondendo em inglês. Eles entendem bem, mas as vezes não conseguem falar. Dá-lhe livros, gibis e filmes em português..

O que eu mais gosto no Canadá é que manter a lingua materna é considerado uma honra e privilégio. Muitas crianças de 2nd ou 3rd geração falam a lingua dos avós e isso não tem preço. No Canadá, quando mais linguas vc falar, melhor.

Anônimo disse...

acho que é bem isso mesmo Octávio, não ter vergonha de errar, perguntar falar.
Vc é ´crânio´ , como dizem os alunos heim?
Quando fala em aprendizado de outras línguas, sempre me lembro do que o poeta José Paulo Paes falou certa vez, mas ou menos assim: ´que o conhecimento de pelo menos uma segunda língua é muito importante. Alimenta o repertório de uma pessoa, sua capacidade de ver o mundo, amplia o entendimento do outro.´e por aí vai.
e essas ´línguas´verdes? é de chiclete, sorvete?
dizia o Caetano que ´a pátria é a minha língua.´ Concorda?
e o japonês, já tentou?
um abraço
madoka

Dani e CM disse...

Vizinho
Daqui a pouco estarão todos é falando ingles dentro de casa...srsrsr
Eu aqui e o Carlos estamos estudando em casa mesmo,

Tudo de bom

Danielle

Tchella disse...

amei o post! sabe eu sempre fui bem em ingles, tanto na escola quanto no cursinho... minhas provas escritas eram sempre 10. quando tirava 9 ficava desolada... BUT minha pronuncia, nao existe... sou filha de um judeu-alemao com uma italiana, alias voce já viu os italianos falando ingles? nao dá pra entender naaada eu só pedia: "spanish please!!" ai rolava comunicaçao... hehe mas assim, pior ainda do que minha pronuncia, só mesmo meu ouvido... na viagem que fizemos em junho, que foi minha primeira viagem para fora da america latina, eu me virava pra pedir as coisas e tudo, pq vocabulario eu até tenho pro gasto, mas e quando a pessoa respondia? Otavio, voce sabe explicar isso? Eu chega nas lojas falava em ingles com as vendedoras, mas quando ela me respondiam ou pergunatavam algo eu nao entendia n-a-d-a! e era super comum eu responder: "Just moment please, I don`t understand, I'll call my husband" dai dizia pra ele, "amor perguntei tal coisa e ela respondeu isso..." ai olhava pra ela e dizia "repeat, please" hahaha durante quase toda viagem... sendo que por isso eu falava super pouco, por vergonha, tenho o famoso "medo de errar" to tentando vencer isso, alguma dica? falar com crianças é uma boa, néam? ahahaha

quanto a viagem de voces... seeeempre quis morar fora, e ultimamente tava pensando bastante nisso, quando vc conta que está indo com sua familia, agora a vontade tá grande de novo, hehehe... atualmente, se eu fosse iria pra Israel ou suécia, devido a conhecidos e tal...

ih! falei de mais! pq em portugues eu falo néam.... hehehe

um abraço pra todos!

Eliane disse...

Oi Octávio,
isso é muito bom!
Parabéns para toda a família.
Bjkas, Eliane

BLOG DA GRÁVIDA disse...

Aprender música é como aprender um novo idioma, sim.

Glória disse...

As crianças não tem as barreiras que nós adultos temos.
Eu "soube" que já sabia inglês suficiente, quando pensava, sonhava, e me comunicava muito bem ao telefone com um porteiro idoso e totalmente banguela do hospital. (Ele não suportava a prótese na boca, tadinho...). Hum... saudades daquele povo.

Alê disse...

Ah, vão tirar de letra!! Mole, mole!!!
bjs

Paola Tavares Silva Wortman disse...

pois e octavio, como diz o ditado "quem pode pode, quem nao pode se sacode". parece que vc realmente tem o dom das linguas. meu marido e assim tb. aprendeu o portugues conversando comigo - e so comigo - em apenas um ano. ja na primeira visita ao brasil ficou filosofando com meu pai. minhas filhas, nascidas aqui, entendem o portugues. eu so falo com elas em portugues. entretanto, seu vocabulario nao e tao amplo quanto o do hebraico. quando vao ao brasil entendem tudo e durante a primeira semana respondem em hebraico a qq pergunta. depois o portugues ja flui sem problemas. quando voltamos e o contrario: na primeira semana respondem em portugues! uma amiga psicologa me disse que ate os 3 anos a crianca tem a capacidade de assimilar 120 linguas simultaneamente. e que ate os 8 anos de idade aprendem uma lingua ao nivel de lingua materna.