novembro 25, 2009

a história da mudança [16] – Calgary

Nós conhecemos apenas três cidades no Canadá: Victoria, Vancouver e Calgary. Optamos pela costa oeste porque a costa leste e o Canadá central são regiões mais úmidas. Interessante falar isso quando a floresta na costa Oeste da América do Norte é considerada como rain forest. Mas o clima nas regiões influenciadas pelo Pacífico é mais seco, o que significa volume de neve menor.

Calgary tem 1 milhão de habitantes e está entre as cinco maiores cidades do Canadá. O aeroporto é o terceiro em movimento. A capital da província é Edmonton, mas Calgary concentra os maiores negócios o que garante maior geração de empregos. Para os padrões canadenses, a cidade tem alguns problemas. O transporte não é dos melhores. Há ônibus e um sistema de trem leve sobre trilhos que funcionam bem mas comparado aos sistemas de transporte de outras cidades é bem inferior em termos de oferta e demanda. Outro problema grave é a extensão da mancha urbana, quase tão grande quanto Nova Iorque. Isso faz com que a cidade seja a mais americana das cidades canadenses, ou seja, usa-se muito o carro em detrimento dos transportes coletivos. São dois problemas relacionados.

Mas o que interessa mesmo na cidade é sua configuração e sua situação geográfica. Calgary é dividida em quadrantes: North West [NW], South West [SW], North East [NE] e South East [SE]. Isso facilita muito a orientação na cidade. As ruas e avenidas são numeradas a partir do cruzamento central entre a Center Street e Center Avenue. As ruas vão no sentido norte sul, as avenidas no sentido leste oeste. Quanto menor o número, mais próxima do centro está a rua ou avenida. Os números dos edifícios geralmente indicam a rua e a avenida. Para descobrir a rua o avenida próxima, é preciso apenas retirar o último número do endereço. Por exemplo o número 2025 12 Ave SW significa que o prédio está na 12 Ave próximo da rua 20. Se fosse o numero 2001 o prédio estaria mais próximo da rua 19.

Mas nem tudo são flores. Em muitos bairros, os nomes das ruas seguem um tema e a designação de street, drive, road, place, etc. pode ser determinante para achar o endereço, já que pode haver repetição de nomes. Em Dalhouise, por exemplo, todas as ruas começam com Dal; Dalton, Dalhart, Dalfort, Dalhurst, Dalcastle. Pode haver Dalhart Street, Dalhart Way, Dalhart Drive, Dalhart Hill.

Quanto a situação geográfica, Calgary está bem no início da Prairies, as pradarias, uma grande planície que se estende das montanhas rochosas até a província de Ontário, englobando as províncias de Alberta, Saskatchewan e Manitoba. A proximidade com as Montanhas Rochosas faz com que, no inverno, Calgary receba ventos quentes vindos do Pacífico, que derretem a neve e fazem com que a temperatura suba até 20ºC. Esse é o famoso Chinook, o snow eater, comedor de neve.

Agora, uma coisa realmente impressionante é a qualidade da água dos rios que cortam a cidade. Tanto o Bow quanto o Elbow tem águas cristalinas, o que não é muito comum para os padrões brasileiros. O que me impressiona é que o discurso no Brasil, de quem quer que seja, é perfeito, as águas dos rios são importantes, devem ser preservadas e tal. Mas isso é só teoria, já que na prática, a coisa não rola. Eu nasci em São Paulo e não preciso falar dos rios que cortam a cidade. Depois mudei pra Campinas e o rio Atibaia, que corta a cidade tem água de péssima qualidade. Então será um prazer morar em Calgary e poder usufruir das águas de seus rios e poder ensinar pras crianças, na prática e não só na teoria, que as águas devem ser preservadas para o bem de todos.

Faltam 2 meses...

5 comentários:

Renata disse...

Caramba, fazia tempo que não passava por aqui e acabei lendo todas as histórias da mudança ao mesmo tempo.
Fiquei muito feliz por vocês, tenho certeza que vai ser incrível pra vocês e para as crianças também, sem dúvida.
Não conheço Calgary, mas em 2005 passei um mês em Toronto e voltei apaixonada, querendo morar lá de todo jeito. Meu marido achou precipitado pois estavamos começando a nossa vida aqui, começo de carreira e de casamento. Acho que ele tinha razão, mas a idéia nunca saiu dos meus planos, ainda mais com filhos: qualidade de vida e segurança não tem preço.
Desejo toda sorte do mundo pra vocês nessa vida nova e desejo que vc não pare nunca de contar as novidades pra gente!
Um beijo grande pra toda família, Renata

Gloria disse...

Imagino uma casa com gramado para as crianças brincarem. Imagino uma varanda com cadeira de balanço. Imagino uma lareira de verdade. Imagino uma casa longe suficiente do centro, e perto de um dos rios de águas cristalinas.
Imagino um cãozinho vira lata branco, com uma mancha escura ao redor de um olho e respectiva orelha, sentado na varanda.
Que tal ?

zizablog disse...

Que bom estamos acompanhando toda a preparação p a imigração, não deixe de escrever mais sobre o país e a city em q vão morar, tradições e costumes. Abraços.

Maura disse...

Lindas as fotos...
Tá chegando a hora!

Paola Tavares Silva Wortman disse...

bom, este e o ultimo post ... acabei lendo tudo de uma vez. acompanho seu site ja ha algum tempo mas nunca tinha percebido os (16) posts da mudanca. emocionante! sua narrativa e divina e nao da pra desgrudar do pc.
beijos, paola