abril 30, 2010

um brinde!

Esse blog faz 2 anos! E eu nem sei o que dizer…

Lembro como a coisa começou. Eu contava as histórias pras pessoas e as pessoas se divertiam. Eu queria escrever, registrar, lembro que escrevi o texto das fraldas e mandei por email pra algumas pessoas. As pessoas adoraram. Marta, minha irmã que agora é minha vizinha [apenas umas 1200 milhas nos separam] ficou empolgada, ficou falando um monte que eu tinha que escrever a história toda. Bia incentivava, adorava as histórias [nada como ter platéia dentro de casa]. Então comecei a escrever. Escrevi uns 30 textos com histórias curtas. E comecei a fuçar no blogger pra ver como funcionava. E preparei o layout, as fotos, a cara do blog, o tom. E comecei a postar e a divulgar o blog entre os amigos. E aí a coisa não parou mais…

Sempre encarei o blog como um projeto. E acho que esse blog é um projeto bem sucedido. 70 mil visitas em 2 anos é uma boa conta. Muita gente que acompanha diariamente e deixa recados carinhosos. E eu fico esperando por esses recados das leitoras e dos leitores que estão sempre aqui. É quase um bate-papo. Muita gente passa por aqui e deixa recados dizendo que leu o blog todo em 2 ou 3 dias. E fica, continua voltando. Esse é sempre o elogio mais lisonjeiro que recebo. Me sinto o escritor, daqueles livros que não se consegue largar antes de acabar.

Eu quero dividir com todo mundo que acompanha os trigêmeos o sucesso do blog. Obrigado por todos os comentários calorosos ao longo desse tempo. Se eu continuo escrevendo é por que voces continuam vindo aqui pra ler nossas histórias. Essa viagem de hipopótamo vai continuar. Podem vir com a gente. Um brinde a todos voces!

abril 29, 2010

...só querendo…

…a primavera está só querendo chegar…estamos no meio de uma baita tempestade de neve, desde ontem de manhã, ninguém sabe até quando, mais uns dois dias, talvez. Uns 30 cm de neve aí em cima da mesa. Uma bela spring storm!

birds

Acordei cedo no domingo e fui até a janela da sala. Sempre faço isso, pra ver como vai ser o dia. E vi, por entre a persiana, o passarinho na casinha pendurada na árvore em frente de casa. Fui pegar a camera, me aproximei com cuidado e percebi que havia outro num galho próximo. Fiz ginástica pra tirar umas fotos com a persiana pelo meio. E no fim consegui flagrar o momento em que o passarinho deu uma bitoca na passarinha. Pensei comigo, é a primavera querendo chegar de vez…

wolf

Ontem a escola recebeu a visita de um lobo! De verdade! Miss Hunt me avisou que o lobo estaria lá até as 3 e meia da tarde e então resolvi ir buscá-los e cheguei mais cedo pra ver o lobo. O lobo pretence a uma associação que recupera animais selvagens. Alguns não conseguem voltar pra natureza, como esse lobo aí. As crianças adoraram. E uivaram até a hora de dormir.

abril 28, 2010

o que eles fazem ali?

Tão quietos? Lá de dentro, da sala, só dá pra ver o alto da cabecinha dos tres, sentados no sofa. As cabecinhas se mexem um pouco pra lá, um pouco pra cá. Eles falam coisas que não posso escutar por causa da distância. O que eles estão fazendo? Provavelmente vendo alguma coisa bastante interessante, uma vez que estão entretidos, concentrados, quietos. Acho a imagem bonita e me faz parecer que vale a pena pegar a máquina fotográfica e registrar o momento. Tiro uma foto, duas, de onde estou, de onde vejo só o alto da cabeça deles. Resolvo então levantar movido também pela curiosidade. E vou me aproximando devagar, pé ante pé, sem fazer barulho, até poder ver o que estão fazendo. E vejo que estão lendo um pequeno livro. Olho atentamente e percebo que o livro não tem palavras, apenas imagens.

Penso, então, que deve ser uma experiência aterradora estar num lugar onde não se entende palavra alguma, nem lida, nem falada. Deve ser brutal a sensação de estar cercado por pessoas que falam uma língua incompreensível. Como têm sido bravos esses tres pequenos! Todos os dias, há mais de dois meses, eles vão a escola, mergulham nesse mundo estranho, novo e ininteligível. E desde o primeiro dia nunca os ouvi reclamar ou dizer que hoje não quero ir ou coisa parecida. Pelo contrário, os tres vão animados, se preparam com entusiasmo, se preocupam com o horário, tomam cuidado para não perder o horário do onibus.

Deve haver uma compensação muito grande envolvida na experiencia que estão tendo. A sensação da descoberta, do novo, estar entre os pares, os iguais da mesma idade, a experimentação, não sei. Vão e voltam da escola com alegria, as vezes efusivos até! Bravos! Eles são bravos! Eles leem o mundo a sua volta por imagens, gestos, sons e tons, expressões faciais, sinais. Eles leem e interpretam um mundo em que as palavras pouco significam. É o que fazem agora, com esse pequeno livro.

Os tres têm enfrentado com galhardia essa grande mudança. E olho pra eles tentando compreender de onde tiram essa leveza. Enfim, é o que eu gostaria que todos nós, adultos, pudessemos aprender desses pequenos e sua natural valentia: enfrentar as novidades, os desafios, as mudanças com mais naturalidade. Motivos não nos faltam.

abril 27, 2010

reciclando

Reciclar aqui é coisa séria. Garrafas de vidro e de plástico, garrafas pet, caixinhas de suco, latas de alumínio, pra todos esses recipientes de bebida, recicláveis, paga-se um depósito. Quem quer pode juntar esses recipientes e devolver pra receber o depósito de volta. O Antonio e o Ravi já haviam dito que fazem ou fizeram isso e vale a pena. Achei a idéia ótima. Resolvemos juntar e levar no depósito de garrafas [há vários bottle depots espalhados pela cidade] pra ver quanto dinheiro faríamos. Fizemos um ‘bom dinheiro’ com as garrafas de 1 mês, $8.25. Muito bom, vamos continuar fazendo isso pra ajudar a pagar as tarefas das crianças. Fazendo as contas por cima, cerca de um terço do dinheiro que pagamos a eles pode ser garantido pela devoluçao de vasilhames de bebida.
Aqui um guia de reciclagem.

abril 26, 2010

tarefas, responsabilidades, poupança

Por aqui, cuidamos da casa nós mesmos. Então resolvemos que as crianças tinham que dar uma mãozinha. Eles tem responsabilidades diárias, como arrumar a própria cama, dobrar o pijama e as roupas, colocar a roupa suja pra lavar na lavanderia, ajudar a colocar e tirar a mesa, arrumar os brinquedos e manter o tatame em ordem, essas coisas que eles podem fazer pra ajudar no conforto geral. Ótimo pra ir dando a eles sentido de responsabilidade sobre as coisas que eles tem que fazer por si sós, não só para eles mesmos mas para todos.

Algumas tarefas são obrigações e outras dão direito um pagamento em dinheiro. Quem fizer recebe, quem não fizer não recebe. Compramos uma tabela de responsabilidades e a cada dia eles fazem as tarefas e marcam o que foi feito. Eles tem 7 tarefas diárias, 5 delas valem 5 centavos cada, ou seja, eles podem ganhar 25 cents por dia. No fim de semana, se eles ajudam na faxina geral, ganham 25 cents extras. Ou seja, eles podem ganhar até $8.50 por mês, o que pra uma criança de 6 anos é um bom dinheiro. Aliás, é o que eles dizem enquanto ajudam nas tarefas: ‘hoje vou ganhar um bom dinheiro’.

Fizemos isso também porque a toda hora eles dizem que querem isso, querem aquilo. Então dissemos a eles que eles tem que guardar dinheiro para comprar as coisa que querem. A maneira de ganharem dinheiro é tendo certas responsabilidades e tarefas e recebendo pagamento em troca. Isso também dá um sentido do que é poupar e que ganhar dinheiro requer fazer algo em troca, ou seja, trabalhar. Aqui no Canada os jovens trabalham pra ganhar seu dinheiro e até pra ajudar a pagar os estudos. Gostamos muito dessa filosofia de vida, uma das razões que nos trouxe para cá.

Eles estão juntando o dinheiro nos cofrinhos [que ganharam de presente de aniversário da Eliane. Eles mesmos pintaram os seus cofrinhos]. Mario é o mais determinado e tem um objetivo bem definido: quer comprar um skate.

abril 25, 2010

soccer

Começou a temporada de soccer. Terça-feira passada foi o jogo inaugural. Inscrevemos os 3 na liga da comunidade e eles estão no nível U6, com crianças nascidas em 2004/05. Laura está no time azul marinho e os meninos no time cinza. As camisetas são patrocinadas pelo Tim Hortons, enorme cadeia de cafés canadense. Os jogos são as terças e quintas, das 6 e meia às 7 da noite. Nesta quinta nao pudeos comparecer por que tivemos reunião com as novas famílias na escola.

O primeiro dia foi legal, mas eles estavam um pouco nervosos, ansiosos. Muita expectativa, crianças diferentes, técnico falando ingles, bastante pra eles ficarem um pouco inseguros. Afinal, nunca tinham jogado futebol num campeonato organizado. Cada um escolheu o número da camisa. Diogo a camisa 2, Mario a 8 e Laura a 6.

Diogo não se empolgou muito e fez um pouco de manha pra jogar. Mario saltitou mais do que chutou a bola e não sabia direito qual era o gol em que tinha que chutar e Laura ficou cheia de dedos pra chutar a bola, mas mesmo assim quase marcou um gol.

jantar para os Hill

Fizemos um jantar para retribuir toda a ajuda que a família Hill tem nos dado. Ou pelo menos pra expressar o quanto estamos agradecidos por tudo o que fazem por nós e em tê-los como vizinhos. Demorou, mas saiu. Decidimos por fazer um bobó de camarão e acabamos fazendo bobó de frango também, apenas pra ter uma opção pra quem não gosta de camarão.

Achamos tudo o que precisávamos pra preparar a receita, exceto azeite de dendê. Também ainda não achamos farinha de mandioca, mas o resto todo, qualquer coisa, é possível encontrar nos supermercados. Ainda não fomos aos mercados étnicos, como os indianos ou chineses, mas ainda iremos. E tem uma loja chamada Brazil com s que vende coisa do Brasil.

Fizemos questão de que toda a família viesse. Colin e Kristen tem agendas bem cheias, os dois trabalham no fim de semana, Colin pedala, Kristen tem exames na universidade. Enfim, vieram todos. E chegaram com um monte de coisas nas mãos, presentes que o Don fez pra mim, já que ele ficou sabendo que gostamos de fazer pizza e eu gosto de fazer pão. Faz 10 anos que não faço pão…Ele também deu uma pesquisada básica e descobriu que São Paulo tem uma das melhores pizzas fora da Itália, então fez dois rolos de abrir massa [um pras crianças], uma tábua pra abrir massa ou cortar pizza e uma espátula pra tirar a pizza do forno. Belos objetos feitos por ele, sensacional. Gostei muito. Agora vamos entrar no negócio de pizzas pra valer.Agora, voce vê, não adianta, fazemos um jantar pra agradecer as gentilezas dos Hill e eles ainda trazem mais presentes. Ficamos até encabulados. E ainda por cima, eles nos disseram que compraram uma geladeira nova pra nossa casa, uma maior. Que legal, geladeira nova! Essa velha pra nós estava ótima, nos servia muito bem, mas uma nova e maior vai ser melhor ainda.

Voltando ao jantar, quem fez praticamente tudo foi minha mãe. Bia e eu apenas assessoramos. Valeu vovó Guguta. Bia preparou caipirinhas, as minhas só eu consigo gostar, de limão e tangerina. Caipiroscas, na verdade, porque tambem não achamos cachaça, mas com certeza tem em algum lugar pela cidade. Pelo jeito, Don e Sheila gostaram do drinque. Os bobós ficaram muito bons e todos repetiram o prato. Parece que gostaram também. Como sempre o papo foi super agradável. E as crianças estão cada vez mais a vontade com eles.

Agora vamos preparer pizzas paulistanas pra eles!

A nota ruim foi que esqueci de tirar fotos do jantar. Preparei a máquina, carreguei as baterias, mas esqueci de tirar fotos.

surpresa

Ontem no meio da tarde, a surpresa: neve. Quase 10 centímetros. Isso em plena primavera. Comentando ontem com os vizinhos, eu disse que tinha visto o mapa da previsão do tempo pro Canada e que Calgary mostrava a temperatura mais baixa do país. Me corrigi na hora, dizendo que Calgary tinha temperatura mais baixa da parte sul do país. Eles riram, dizendo que eu tinha que comparar Calgary com as cidades mais ao norte, como Yellowknife e tal: 'É lá no norte que voce tem que focar…'

abril 23, 2010

skating!

De tempos em tempos a escola recebe o que eles chamam de professores residentes. E a cada vez o professor residente é de uma área: artes, meio ambiente, esportes. Alguns professores residentes ficam o ano todo, indo e vindo uma ou 2 semanas por mês, como o professor de artes deles.

Semana passada eles tiveram aula de patinação, patins sobre rodas. Muito bacana. Bia e eu fomos voluntários por 2 dias, pra ajudar as crianças a calçar os patins e colocar as joelheiras, cotoveleiras e munhequeiras. Não preciso dizer que nos divertimos, não é! Mas preciso dizer que foi espantoso ver como os 3 evoluíram com uma semana de aulas. Estão patinando! Sensacional! O professor é um cara muito bacana. Ele fez várias brincadeiras com as crianças, tipo pega-pega, estátua e tal. Da pra ver uns videos dele aqui.

o sapo saltador

Uma das coisas que ajudam bastante no aprendizado das crianças são os produtos da série Leap Frog. São centenas de coisas pra auxiliar no aprendizado da língua. Nós temos 3 dvds com desenhos animados, um pequeno game que faz os sons das letras e os ensina a escrever, além de um jogo de cartas com a indicação de tarefas especificas. Os desenhos são muito bons, cheios de músicas e estórias. Eles adoram.

abril 22, 2010

saudades dos primos

Recebi ha poucos minutos um email do Felipe, contando a seguinte passagem:

“Hoje, indo levar os pequenos na escola perguntei o que eles gostariam de fazer no fim de semana. Se queriam ir pra Ubatuba ou talvez pra Piracaia?
Gabriel respondeu na hora.
-- Pai, eu queria mesmo era ir pro Canada.
Em seguida emendou meio tristonho.
-- Estou com muuuuuita saudades dos tri.
Falei que era um pouco longe pra ir num fim de semana, mas que vamos nos planejar e daí ele acalmou.”

Não preciso dizer que quase chorei, né?! Quero ver quando eu mostrar a mensagem para os 3! Voces se lembram do Gabriel, não é? Grande amigo dos tri! Os tri aqui tambem sentem saudades dos primos. Laura é a que mais reclama e comenta. Mas os meninos, a seu modo, expressam suas saudades do Brasil: ‘hoje seria um ótimo dia pra ir a praia!’

E vamos driblando as saudades...

abril 21, 2010

for free – mesa pra varanda

Todas as vezes que eu ia levar ou buscar as crianças no ponto do school bus, via no quintal de uma casa umas cadeiras bem ajeitadinhas. Depois de uns dias, as cadeiras ainda lá, eu comecei a desconfiar que iam ou pro garage sale ou pro lixo.

Sexta-feira a tarde, nós indo pro community centre pra jogar tenis [pois é, estamos ‘tentando’ jogar tenis] enquanto as crianças patinassem ou pedalassem, Bia viu na alley [a rua de serviço atrás das casas] não só as 4 cadeiras mas a mesa também. Parei o carro e por via das dúvidas bati na porta da casa pra confirmar se podia pegar a mobília. Claro que pode! Levei a moçada ao community centre e voltei pra carregar as coisas. Descarreguei o carro e voltei pro community centre, batemos uma hora e meia de bola. Já em casa, carro descarregado, ainda saí pra comprar a churrasqueira, que fiquei montando por 3 horas!

Só no sábado de manhã montei e limpei a mesa e as cadeiras, que ficaram perfeitas na varanda. Vai dizer que não ficou legal? ‘De grátis!!!’ Agora sim podemos fazer nossos churrascos!

churrasqueira

Finalmente compramos uma churrasqueira, animados pelas temperaturas dos últimos dias. É, os dias estão ensolarados com temperaturas entre 15 e 20 graus. Foi na sexta-feira, no final da tarde, por volta das 5 e meia. Fomos ao Canadian Tire e compramos uma churrasqueira baratinha e o botijão de gás. Chegamos em casa animados com a possibilidade iminente do churrasco. É, mas a alegria durou pouco. Na hora que abri a caixa vi o tamanho da encrenca: 3 horas pra montar a bichinha. O churrasco ficou pro dia seguinte. Foi o primeiro numa churrasqueira a gás. E ficou bem bom.

mais usados no kijiji

Compramos mais um móvel pra guardar nossa tralha de trabalho e uma pequena estante pros livros das crianças. Agora acho que chega. Quer dizer, faltam os quadros ainda, mas esses trouxemos do Brasil.

abril 20, 2010

sofá do tatame

Precisávamos de um sofá pro tatame, pra assistir televisão. O ideal seria um sofá cama. E toca a procurar no Kijiji um usado em bom estado. A princípio não queríamos comprar um sofá usado, mas os novos e confortáveis, um que não fosse um futon, são bem carinhos. Procurei por uns 10 dias, até que ele apareceu. Um sofá cama do mesmo modelo dos sofás que temos na sala, do IKEA, em bom estado e com uma capa sobressalente na caixa, nova, sem uso. Menos da metade do preço do sofá novo, incluindo a capa que custa 1/6 do total do sofa.

Depois da tradicional troca de emails do tipo: ‘Hello, I want to view the sofa. When is the best time for you to do it?’ ‘Hi, you can come blablabla…’ pensei bem e decidi que seria dificil achar oferta igual. Então mandei outro email dizendo queria mesmo comprar e pedi pra moça [de novo] segurar o sofa pra mim. ‘Ok, this time works for me. I really wanto to buy it so would you hold it for me until I can view it?’ ‘Yes, sure, you’re the first one blablabla…’

Fantástico. No fim do dia fomos buscar o sofá, Bia e eu. Tirei os bancos do carro que fica com 2,20 metros de porta mala. O sofá tem 2 metros de cumprimento. O problema seria o peso. Mas não tinha jeito. A moça, Amanda Bond, morava num apartamento no fim do corridor, acho que uns 200 metros do elevador. Chegamos, vimos o sofá, ótimo, funcionando bem, bom estado, ok, vamos levar. Pagamos. Amanda disse que tinha visto um carrinho no térreo e fomos lá buscar. Levamos pra cima, colocamos o sofá em cima [uns 10 minutos depois] e levamos tudo pra baixo. Ventava pra burro. Colocamos o sofá no carro e viemos embora.

Depois de uns 15 minutos pra colocar o sofá na varanda e depois de mais meia hora fazendo uma bela limpeza na peça e tirando a capa velha, colocamos o bicho pra dentro. Bia e vovó Guguta começaram a colocar a capa nova quando descobriram que não era a capa certa, era a capa do sofá de 2 lugares, menor. Imediatamente, colocamos a capa velha pra lavar e no fim da noite o sofa estava pronto pra ser ‘sentado’.Bia teve a idéia irmos ao IKEA trocar a capa. Boa idéia. Sábado de manhã, partimos pra viagem de 40 minutos. Fomos ao balcão de trocas, entregamos a capa e recebemos um cartão com crédito pra compras. A idéia era mesmo pegar outra capa, mas a velha ficou ótima depois de lavada. Como precisávamos de um pequeno móvel na cozinha, tipo buffet, resolvemos comprar um que também saiu bem mais barato por causa do crédito da capa. 3 horas montando o bichinho…

cervejas

Essa é pros meus amigos que curtem uma cervejinha. Aqui tem cerveja, muita cerveja. E cerveja da boa, do mundo todo e pra todos os gostos. Gosta de uma boa pilsen? Tem. Gosta de uma stout? Tem. Gosta de uma ale? Tem. E tem mais.

Confesso que estava meio cansado de tomar a cerveja brasileira, a Skol, a Brahma. Achava sem grace, sem gosto e me dava uma dor de cabeça danada. Lembro de um artigo do físico Rogério Cerqueira Leite falando da péssima qualidade da nossa cerveja. Já no Brasil eu preferia encontrar cervejas um pouco mais encorpadas, com sabor mais acentuado e tal. Mas a variedade era pequena e o preço bem salgado.

Todas as vezes que vou comprar cerveja aqui, talvez uma vez por semana, talvez menos até, gasto meia hora, mesmo que eu saiba o que vou comprar. As liquor stores tem uma sala refrigerada onde ficam as cervejas, algumas são bem grandinhas e com centenas de cervejas diferentes. Então fico lá, olhando o que tem, comparando preços. Normalmente saio de lá quando estou ficando gelado e antes de congelar pego a cerveja que quero e saio.

O Canada tem boas cervejas. Eu gostava da Sleeman mas parece que foi comprada por uma das grandes cervejarias multinacionais então desisti dela porque quando isso acontece a qualidade vai pro espaço. Calgary tem 2 cervejarias muito boas, a Wild Rose e a Big Rock. As duas são ótimas e cada uma tem cerca de 8 ou 10 variedades. Eu tenho tomado a traditional ale da Big Rock. Encorpada, saborosa, uma english brown ale excelente.

As vezes compro um 8 pack que a Big Rock tem com 4 variedades diferentes, legal pra variar o paladar e tomar a 2. A pilsen é boa, a honey brown é boa, a warthog é boa, a grasshopper [trigo] é boa, todas boas. Agora no verão vou experimentar a lime, uma light pilsen com toques de limão. Vamos ver. Acho que, por enquanto, posso dizer que minha cerveja é a Big Rock.Uma pequena nota sobre vinhos. A variedade de vinhos também é gigante. E os preços bem mais acessíveis. No Brasil tomávamos vinhos pelo preço, entre $18 e $25 para uso interno, de $30 a $40 em ocasiões especiais. Aqui encontramos vinhos excelentes por preços muito convidativos. As vezes os liquors têm ofertas de bons vinhos em torno de $8 ou $10. Um amigo nos apresentou um vinho da California espetacular por esse preço. Mas o vinho de $18 a $25 aqui é o vinho de $80 a $100 no Brasil. Ou seja, aqui tomamos mais vinho, muito melhores do que antes e menos cerveja mas tambem muito melhores.

palavras

As crianças são engraçadas, o jeito que aprendem. Todos os dias eles chegam em casa falando uma palavra ou uma expressão. Um dia é together, oiutro dia é everybody, no outro é quickly, ou turn around, ou today my friends e por aí vai. E repetem isso o dia todo, sem parar. Até que uma hora perguntam ‘mas o que quer dizer isso?’ Muito engraçado.

Depois de 2 meses de escola eles compreendem muito mais coisas e já começaram a cumprimentar as pessoas com um hi ou good morning e a se despedir com um bye, thank you! Esse é um dos primeiros passos no aprendizado da língua, a interaçao com os outros através da saudação.

parabéns vovó guguta!

Ontem cantamos parabéns pra vovó Guguta. Já está virando tradição nas festas de aniversário: cachorro quente e bolo. Demos de presente uma máquina de costura portátil, super leve e prática. Ainda bem que ela gostou. Todas as filhas ligaram pelo skype o que deixou a vovó mais feliz ainda.

abril 19, 2010

aniversário da vovó guguta

Hoje a vovó Guguta faz anos!!! Vamos ter um bolo especial pra ela hoje! Feliz aniversário vovó!!!
video

brunch

Pra comemorar o aniversário da vovó Guguta fomos tomar um brunch no hotel do Heritage Park. A vovó adora brunch! Foi muito legal. E precisamos voltar no parque quando estiver tudo funcionando, a partir do final de maio! Aqui, fotos do hotel representando como era seu uso no século 19 e outras da vila.

labirinto

Quer idéia mais simples que construir um labirinto pras crianças brincarem? Eles ficaram quase uma hora entretidos aí dentro!